Roberto Marinho não perdoava. Ligava de próprio punho para demitir o jornalista falsário! E ainda ria do feito em rodas de colegas.
A vida é dura, diria Soares.