A desconjuntada conjuntura está dada

Em meio a tanta notícia ruim, a única vantagem é saber que não é preciso mais esperar pelo pior.

É espantoso que ainda haja representantes das instituições da República e lideranças políticas e empresariais incensando análise  de conjuntura, quando todas as cartas já estão abertas sobre a mesa. A falsa inocência é comparável à anedota em que dois homens discutem detidamente se a porção marrom, encontrada no chão,  com características, aspecto, cheiro e consistência é mesmo de coco, até que um deles resolve experimentar para atestar: “é merda, mesmo!”

Todas as camadas estão comprometidas

É espantoso que ainda haja representantes das instituições da República e lideranças políticas e empresariais incensando e estudando pacientemente análises de conjuntura, quando todas as cartas já estão abertas sobre a mesa. A falsa inocência é comparável à anedota em que dois homens discutem detidamente se a porção marrom, encontrada no chão,  com características, aspecto, cheiro e consistência é mesmo de cocô, até que um deles resolve experimentar para atestar: “é merda, mesmo!”

O desmilagre econômico

Os indicadores econômicos expressam a terra arrasada em que o país atolou. Os atuais níveis cambiais e inflacionários revelam uma fadiga no sistema financeiro. A manutenção da unidade monetária vai custar uma elevação do endividamento da dívida pública, via escalada da taxa de juros (a qual o limite?). Mesmo num quadro de paralisia por conta da pandemia, Guedes com seus amarfanhados conceitos leva a economia de volta para o passado, a um cenário semelhante ao dos anos 80, em que o azul da conta-corrente era dependente do ingresso de dinheiro de terceiros. Ou seja, nada corrigido, as contas tornar-se-ão  reféns de ataques especulativos. 

A desindustrialização

Não pela conjuntura, mas por decisão estratégica, os parques de produção automobilística estão sendo desativados e transferidos. As montadoras preferem outros países como plataforma de exportação. Não há tecnologia própria em TI; a aviação, desmontada; outros setores outrora vigorosos estão afetados, não apenas pela paralisia da  pandemia, mas pelos sinais da economia. O desemprego nas metrópoles alcançou níveis recordes e não há retirada de direitos que faça o engajamento formal dos trabalhadores crescer.  Recentemente, a turma do Guedes mudou o cálculo do Cadastro Geral de Empregos para maquiar uma enganosa retomada.

A Constituição ameaçada

Vários caminhos levam ao desfolhar da Carta Magna. As reformas mitológicas da Previdência e Trabalhista são prenúncios da supressão dos Direitos fundamentais transcritos em cláusulas pétreas da Constituição.

A sociedade solapada pela crise sanitária

Parte da crise inflacionária se deve a má gestão da crise sanitária. Pressões e inflação por demanda num sistema em que a cadeia de suprimentos básicos foi desmobilizada por falta de previsibilidade. Se Guedes tivesse mesmo lido Keynes ( traduzido ou “no original”) saberia o que fazer. Tributos para fundo de Guerra não são apenas receita nova, ordenam o que é prioritária abastecer para evitar inflação por demanda (Guedes entende, mesmo? Ou é só mais um empresário querendo “vencer” na sombra do Estado).

<p value="<amp-fit-text layout="fixed-height" min-font-size="6" max-font-size="72" height="80">A dor e as quase 400 mil mortes deixaram os brasileiros atordoados a espera de palavras de conforto e esperançaA dor e as quase 400 mil mortes deixaram os brasileiros atordoados a espera de palavras de conforto e esperança

A falta de provimento de vacinas terminou por jogar por terra as expectativas dos brasileiros. Se apegam ao isolamento social como a última tábua da salvação, mas são “convocados”  a arriscar a vida para salvar a “economia”, quando, realmente, estão se arriscando para salvar o lucro do empresariado mesquinho que não se importa com a vida das pessoas, gerando uma tensão entre salário de fome ou fome advinda do isolamento social. Bolsonaro tivesse feito a lição de casa, nem trabalhadores ou empresários estariam passando pela campanha fascista contra o lockdown.

A demora do auxílio emergencial tornou o desalentado em ouvido fácil para soluções desesperadas

A combinação da vocação truculenta do governo e de um povo desesperado por soluções contra a fome vai desaguar no pior dos mundos. Distúrbios sociais é tudo que Bolsonaro deseja para colocar em prática seu regime autoritário. A renúncia dos chefes das Forças Armadas é uma pintura esclarecedora dos planos de Bolsonaro contra o regime Democrático. Só não admite quem tem em vista algum ganho futuro na perversidade que se avizinha.

O que leva às seguinte questão: como resistir  à escalada autoritária de Bolsonaro e de suas forças milicianas? 

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s